OS AUTORES

Didier Faustino

Nascido em 1968, Didier Faustino vive e trabalha entre Paris e Lisboa.
Trabalha com a íntima relação entre o corpo e o espaço. A sua abordagem é multifacetada, desde a instalação até à experimentação, a partir da criação da arte visual subversiva para espaços, exacerbando os sentidos. 
Didier Faustino criou o Bureau des Mésarchitectures em 2002. Recebeu o prémio Tabaqueira (Lisboa) para a arte pública em 2001, prémio da Académie d’Architecture Dejean (Paris), em 2010, e foi indicado várias vezes para o prémio Chernikhov (Moscovo). 
Caracterizado pela sua dimensão ficcional, a sua crítica, a sua liberdade de códigos e a ca-pacidade de oferecer novas experiências para o corpo individual e colectivo, vários dos seus projetos entraram nas colecções de importantes instituições: MoMA, Fundação Calouste Gulbenkian, Fundação de Serralves, Fonds National d‘Art Contemporain, Musée National d’Art Moderne / Centre Georges Pompidou. 
Actualmente trabalha em vários projectos de arquitectura em vários países, nomeadamente em França, e é responsável pelo Diploma Unit 2 na AA School em Londres.

NOME DA PEÇA

TERRA INCÓGNITA

Edição limitada a 10 exemplares

Artefacto de fantasia, Terra Incógnita estabelece um momento de fusão entre uma peça ornamental e um fragmento de vaidade. O troféu barroco e seu reflexo, deforma a imagem do espectador. Este efeito orienta nosso julgamento sobre o campo da ansiedade, vergonha, perplexidade e, paradoxalmente, a contemplação. 
Referindo-se às “Queer readings”, a literatura dos anos 70, e os escritos de Le Marquis de Sade, este trabalho destaca um elogio do aspecto transgressivo dos nossos prazeres. 
Terra Incógnita convida o espectador a jogar um jogo introspectivo e voyeurista.

- Didier Faustino